segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

A fé unida a esperança!

A fé nos faz acreditar que tudo vai da certo, e vai ser tudo bem melhor.
E a Esperança nós aquieta o coração, a espera por esse momento.
Então tenhamos fé e esperança pra um futuro melhor.
Paz e um feliz ano novo!
A todos que visitam este blog.
Herbert Amorim

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Continue, e Você Será Liberto.

...O fato de você ter se arrependido de uma determinada fraqueza, de um determinado erro não significa que você não cairá mais nele.

Pode ser que você caia, você não sabe quanto você já está amarrado por aquilo...

Porém se você continuar nos pés do Cordeiro, dizendo que não aceita viver desse jeito Ele vai libertar você...


Ariovaldo Ramos
via facebook

domingo, 28 de outubro de 2012

Galpão, 328.

Paz a todos no Senhor!


Bem, fico feliz por ter todos vocês aqui, isto quer dizer que quiseram estar conosco!

Creio que uma dúvida ou curiosidade ficou em suas mentes. O que significa o nome?

Bem o nome não tem nada de místico ou espiritual, apesar de ter vindo a minha memória em sonho.

Contudo a explicação é bem simples, nossa "casa de oração" isto é o templo parece um galpão, não para amadurecer frutas,

mas para amadurecer cristãos, não para guardar cereais, mas para cuidar do trigo santo. Então Galpão é galpão mesmo! 

328 é o número e nada mais que isso! Desculpa se frustei! 

Também os levarei ao meu santo monte, e os alegrarei na minha casa de oração; 
os seus holocaustos e os seus sacrifícios serão aceitos no meu altar; porque a minha 
casa será chamada casa de oração para todos os povos.
Isaías 56:7

Agora quanto ao propósito e público, deve ser lembrado também!  

Temos visto por ai uma gama de atividade que só tem trazido discórdia e movimentos aos cristão, que na sua maioria, 

esses movimentos ou eventos, tem beneficiado alguns. Nosso propósito não é esse, de ser mais uma atividade "evangélica"  e beneficiar particulares.

Mas o nosso propósito é reunir os adoradores do Senhor e juntos lhe oferecer uma verdadeira adoração.

Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade;
porque o Pai procura a tais que assim o adorem.
Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade. 
João 4:23-24

Para alguns que tem mais de 28 anos e vivenciaram na década de 1990 algumas atividade de louvores, 
vivenciaram momento especial, naquela época, contudo aqueles eventos vieram quebrar paradigmas, 
isto é os rituais dentro dos templos, e monotonia das liturgias, mostrando que poderia haver 
verdadeira adoração fora das quatros paredes, tais foram Clubão, verão 3401 e Expresso B. 
Contudo com o passar dos tempos se tornaram ponto de encontro evangélico,
então não é saudosismo, mas é influencia do que significou o propósito.    

O nosso propósito, além de reunir adoradores, queremos, vivenciar adoração na graça, acredito que não só eu,
 mas quem tem visto o que estar acontecendo no meio evangélico
e tem buscado um lugar para adorar a Deus com responsabilidade e decência. 
Seria bom que esta reunião tivesse uma data e um local, e que bom que pode ser aqui. 

Temos buscado conhecer ao Senhor, e prosseguir em conhece-lo é o nosso alvo. Temos buscado vivenciar a vida cristã, 
sem religiosidade, uma vida antes de fazer a maior motivação seja o ser. 
Ser cristão, ser servo, entendo que Ele nos ama, nos amou antes que amassemos a Ele, e não fizemos nada para ser amado,
e não faremos nada para deixar de nos amar. 
Contudo, entendemos que esse amor tem responsabilidade, tem constrangimento, tem gratidão. Tudo que fazemos,
fazemos porque somos amados e não para ser amado, temos procurado amar o carente, o diferente antes mesmo, 
dele ser politicamente correto e esteticamente agradável, simplesmente pelo fato de eles serem alvo do amor de Deus.   

Então conheçamos, e prossigamos em conhecer ao SENHOR; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como 
a chuva, como chuva serôdia que rega a terra.  Oséias 6:3 
Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.  Romanos 5:8

Nós o amamos a ele porque ele nos amou primeiro. 
1 João 4:19

No meu coração há uma sincera vontade de que possamos testemunhar o que vivemos aqui, e que junto com você que estar buscando esse tipo de realidade, 
não apenas um ponto de encontro, com amigos, mas encontro com Deus, não somos os únicos, mas somos únicos. 
Não somos únicos porque exites outros buscando, mas somos os únicos porque não existe ninguém igual a ninguém.    


Seja bem vindo e vamos juntos, oferecer ao Senhor a  verdadeira adoração. Em ousadia pra entrar no Santo do santos.

E jamais me lembrarei de seus pecados e de suas iniquidades.
Ora, onde há remissão destes, não há mais oblação pelo pecado.
Tendo, pois, irmãos, ousadia para entrar no santuário, pelo sangue de Jesus,
Pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou, pelo véu, isto é, pela sua carne,
E tendo um grande sacerdote sobre a casa de Deus,
Cheguemo-nos com verdadeiro coração, em inteira certeza de fé, tendo os corações purificados da má consciência, e o corpo lavado com água limpa,
Retenhamos firmes a confissão da nossa esperança; porque fiel é o que prometeu. 
Hebreus 10:17-23
-- 

Herbert Amorim e Família,Jesus eh e basta!

sábado, 15 de setembro de 2012

Ainda há esperança

Há um ditado popular que diz que: “A esperança é a última que morrer.”

Somos-nós a geração das dores, das inversões de valores e do aumento da violência. A nossa presente era é marcada pelo perigo de bombas nucleares, dos ataques terrorristas, das trajédias naturais, das famílias em crise e da aceleração da ruína moral da sociedade. Porém diante de tudo isso a esperança que vem da parte de Deus pode mudar a nossa visão do presente e do futuro, trazendo alegria e paz ao nosso coração. Em meio a qualquer situação, lembre-se: Cristo é a única esperança para o ser humano. J.D. Thomas compatilhou em uma de suas palestras que era seu costume sempre perguntar às pessoas que o buscavam para aconselhamento se elas tinham esperança. Quando a pessoa respondia que sim, então ele sabia que seria mais fácil aconselhá-las. Quando respondiam não, então seria difícil. 

Pessoas sem esperança acabam dominadas pela ansiedade, pelo desânimo e pelo medo de viver. Algumas deixam de planejar e de Sonhar, pelo fato de não ter forças para continuar. Muitos passam por tal situação, onde olham para o mundo ao seu redor e só conseguem ver adversidades. Olham para o futuro e não enxergam nada que lhe traga esperança. Na Bíblia tem a História de um profeta chamado de Jeremias que passou por essa experiência. Onde em Lamentações 3.18 ele declarou: “Já pereceu a minha força, como também a minha esperança.” O profeta Jeremias estava vivendo dias muito difíceis e havia perdido toda a sua esperança. Talvez esse seja também o quadro em que você se encontra hoje, diante situações difíceis na família, no trabalho, na vida sentimental, nos estudos e principalmente na vida espiritual.

O Profeta Jeremias não desistiu de lutar por seus objetivos! Em Lamentações 3.21 ele diz: “Quero trazer à memória o que me pode dar esperança.” Por que razão alguém declararia não ter esperança e de repente se esforçaria para lembrar-se de algo que pudesse restituí-la? Jeremias responde: “A minha poeção é o Senhor, diz a minha alma; portanto esperarei Nele” (Lm 3.24). A mudança radical de Jeremias vem do fato de que ele se lembrou de Deus. Em meio à desesperança, ele disse a si mesmo: “Eu esperarei no Senhor”. Segundo Ernesto Sábato, “A esperança não será a prova de um sentido oculto da Existência, mas uma coisa que merece que se lute por ela?” Jeremia encontrou esperança em Deus. A palavra esperança está ligada ao verbo esperar. A psicologia demonstra que aí está um grande problema para a humanidade: não saber esperar. O futuro parece aos olhos humanos como algo inserto e inquietante. Por exemplo: que curso fazer, qual será o meu futuro profissional, conseguirei alcançar os meus objetivos e com quem casarei?... 

Segundo o psicólogo Americano Myers, “A ansiedade é um frio na alma”. Esta é realmente a sensação de quem está ansioso e inquieto. Há um remédio para vencermos essa sensação: a consciência de que Cristo cuidará de nosso futuro. Jesus Cristo prometeu estar conosco todos os dias (Mt 28,20). Ele também disse: “não vos inquieteis com o dia de amanhã” (Mt 6.34). A ansiedade tem causado stress, depressão e desejo de cometer o suicídio. Segundo aponta os dados de um relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), Uma pessoa comete suicídio a cada 40 segundos no mundo. Cerca de um milhão de pessoas acaba tirando a própria vida anualmente, onde cerca de 55% têm menos de 45 anos de idade. Para efeito de comparação, só em 1959, estima-se que 60% dos suicídios eram praticados por pessoas mais velhas. O suicídio ocupa a terceira posição entre os principais motivos da morte de pessoas entre os 15 e 44 anos. A segunda menos faixa etária é entre jovens de 10 a 24 anos, o suicídio hoje cometidos por jovens é um problema social gravíssimo.
A Bíblia diz que Deus nos oferece uma “viva esperança” (I Pe 1.3). Por que não vivê-la em nosso dia a dia? Pesoas sem esperança são pessimistas, negativas e fatalistas. Para Aristóteles, “A esperança é o sonho do homem acordado”. Muitos depositam a sua confiança em homens, alguns na sociedade e outros na religião. Mas nem o homem, nem a sociedade e nem a religião podem trazer uma perspectiva de dias melhores para o ser humano. Só Cristo é a real esperança para esta sociedade ordierna. Há onde você tem depositado a sua esperança? 

Pr. Clécio Uchoa
Atílio Vivacqua - ES
Fonte:http://www.ultimato.com.br/comunidade-conteudo/ainda-ha-esperanca


Leitura indicada por mim: Agora, pois, SENHOR, que espero eu? A minha esperança está em ti.  Salmos 39:7 

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

TESTEMUNHO PESSOAL DE Ir Waldemar.


                                         MEU TESTEMUNHO PESSOAL
 01.Primeiramente, aí vai uma explicação simples de como funciona a dinâmica da homossexualidade do meu ponto de vista: Cristãos que lutam com esse tipo particular de tentação, tem que "guerrear" em duas frentes: contra "a igreja militante"(que não aceita que cristãos tenham esse tipo de tentação, mas negue-a por toda a vida) e contra "os militantes gays"(que não admitem que ninguém enfrente isso como luta, mas aceite passivamente a sua condição). Além do mais, tem de conviver com suas "fontes de tentação"(pessoas do mesmo sexo), como "os demais mortais" não convivem; pois é muito comum que pessoas do mesmo gênero se vejam nuas umas diante das outras em muitas situações do cotidiano, embora seus mecanismos de atração funcionem como dos heterossexuais, só que direcionados para "objetos invertidos". Neste ponto, é bom lembrar que as tentações homossexuais, bem como as outras tentações, são de certo modo "personificadas" pois, "...Cada um, porém, é tentado pela sua própria cobiça..." Tiago 1.14, neste caso, cada um é tentado por outros que apresentam certas características das quais "sente-se carente". A meu ver, essa carência é      fruto da história de  vida e de escolhas erradas.
02. Um pouco de meu histórico pessoal: no meu caso em particular (sobre o qual posso também falar pessoalmente). Fui nascido e criado numa Igreja Cristã Histórica, onde em criança, tomei minha decisão por Jesus, que vem me convertendo ao longo de minha pequena vida. Sofri abusos e muitas perdas em minha infância e, "desde que me entendo por gente" tive que lidar com o dilema da homossexualidade. Neguei primeiramente para mim mesmo e depois para o mundo inteiro, mas sempre falava com Deus a respeito, por achar que somente Ele me entenderia e poderia dar um jeito nisso. Minha adolescência foi moralmente suja e típica de "um menino-homem" do interior do nordeste brasileiro, mas religiosamente perfeita(vivi na igreja o tempo todo). Viver "dentro da igreja" desde que nasci, trouxe-me certa proteção contra outros e contra eu mesmo. As paixões de minha vida foram todas por meninas cristãs. E embora tenha tido alguns momentos ruins em minha juventude (que passei quase toda dentro de seminários), continuei convivendo com meus dilemas homossexuais como tentações que não pretendia ceder jamais. E para me assegurar disso, construí verdadeiras fortalezas em minha volta, às quais eu pensava, me manteriam longe do pecado. E isso de fato aconteceu durante a maior parte de minha vida, mas essas mesmas fortalezas, mantiveram todas as pessoas em minha volta distantes o suficiente para não desenvolver intimidade com ninguém; logo, não tinha nenhum amigo. Tornei-me legalista, rígido, religioso ao extremo, profundamente solitário e finalmente depressivo. Eu consigo ver isso hoje, na época me considerava um homem correto e acima de qualquer suspeita.
03. O longo processo de meu pecado e confissão: A mulher com quem me casei encontrou acidentalmente, uma confissão de minhas tentações homossexuais ( escritas por mim, com o propósito de enviar a um psicólogo cristão de São Paulo), quando eu tinha 29 e ela 24 anos. Naquela época eu reagi defensivamente e reprimi qualquer possibilidade de conversar sobre o assunto ou tratar a questão. Por causa daquelas confissões, nós tivemos uma crise conjugal, mas mediante a minha reação, ela se calou e eu também. As tentações continuaram vivas dentro de mim, mas eu achava que as manteria "sob meu controle" com os recursos que dispunha("as fortalezas que construí em minha volta"), porém, isso não aconteceu. No início de minha "crise dos quarenta", fizemos um bom acerto em nosso relacionamento conjugal, do qual colhemos muitos frutos até a nossa separação. Mas à medida que "a minha crise dos quarenta" avançava, e após completar 41 anos(não sei precisar exatamente minha idade na época), eu enfrentei minha primeira fase de quedas(todas fora da igreja), confissões a Deus e vitórias parciais. Durante este período, eu fiz várias tentativas de aproximação com homens e profissionais cristãos com o propósito de confessar meu pecado, mas não tive coragem. Em 2004, em decorrência de minha luta solitária contra o pecado e meu excesso de trabalho, eu assumi diante de minha família e igreja que estava numa crise depressiva profunda e precisava de ajuda urgente. Comecei meu tratamento psiquiátrico e psicoterapêutico com profissionais cristãos, e em agosto de 2005, já de licença médica e afastado do ministério por causa da doença, incentivado por uma amiga, apoiado pela família e ajudado por vários irmãos de fé, participei de um retiro de silêncio e oração no sul do Brasil, de onde trouxe um adereço cristão, símbolo de tudo que passou a acontecer em minha vida desde então. Neste período, experimentei mudanças interiores significativas, que tiveram grande repercussão positiva em meu comportamento geral. Por causa dessas mudanças, tive que enfrentar grande oposição por parte de muita gente próxima de mim, especialmente de alguns “religiosos”. Neste retiro no sul ao qual me referi, pela primeira vez contei toda a minha história de vida e confessei todo o meu pecado; fui acolhido, recebi o perdão de Deus e vivi em vitória por quase um ano. Ao voltar desta viagem entreguei o ministério que estava sob os meus cuidados na época(uma igreja local) e assumi a Missão de "Cuidador de Cuidadores" a nível nacional, vivendo um tempo de vitória sobre a homossexualidade. Depois deste tempo e após uma consulta médica que me fez muito mal, passei a enfrentar uma segunda fase de quedas, confissões a Deus, a um profissional cristão e a experimentar vitórias parciais. Em dezembro de 2009 questionado pela mulher com quem me casei, resolvi responder às suas perguntas abrindo-me parcial e depois totalmente a respeito de meu pecado. Ela disse que me perdoava, mas não conseguiria mais conviver maritalmente comigo. A partir daí nos separamos. Em março/2010 eu lhe concedi a separação judicial e no final de outubro/2010, atendendo também ao seu pedido eu lhe concedi o divórcio consensual.
04. Como estou vivendo hoje: me refugiei debaixo da graça de Deus, passei por toda a "rodada de confissões"(família, igreja local e nacional, e algumas pessoas em particular que julguei necessário) encontrei perdão, graça e muita misericórdia diante de Deus e dos homens. Além do afastamento do ministério cristão, por causa do pecado, fiquei de licença médica por causa da depressão, que voltou bem mais forte do que da primeira vez. Minha filha casada, juntamente com meu genro, ambos líderes cristãos ativos, me convidaram para morar com eles, onde passei a maior parte do ano de 2010. Meu filho solteiro é também um líder cristão ativo e como a irmã, tem sido um grande apoio para mim. Tenho participado de reuniões de grupos cristãos de apoio e da vida comunitária da igreja, continuo meus tratamentos de saúde(psiquiátrico e psicoterapêutico). E isso tudo, Deus tem usado para melhorar a minha saúde como um todo e me tornar solidário a homens e mulheres que precisam lidar com a homossexualidade (e o divórcio), numa perspectiva cristã. Atualmente, tenho como minha missão principal: auxiliar pessoas que caíram na prática da homossexualidade; cooperar com a igreja no cuidado destas pessoas e trabalhar com famílias, visando especialmente a prevenção de abusos sexuais infantis . Para isto, o Senhor me pôs num ministério cristão de ajuda a pessoas que sofrem no contexto da vida ministerial, onde posso ajudar em várias áreas e receber suporte em todos os sentidos para cumprir minha missa.  Enquanto  persistirem minha condição e convicções atuais, resolvi viver sozinho, mas bem acompanhado por Deus e seus anjos, com o propósito de ter uma vida de serviço exclusivo a Jesus e aos irmãos.
 05. O que posso falar sobre libertação: Com base na palavra de Deus, na tradição cristã e em minha caminhada pessoal, todos nós independente do tipo de tentação que enfrentamos, seremos libertos totalmente delas, somente no céu; de modo que com raríssimas exceções(só conheço um caso no grande universo de cristãos que praticaram a homossexualidade) os irmãos que lutam com essa questão, caso não haja um milagre de Deus, terão que lutar até  o encontro com "...o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo de sua glória...(Filipenses 3.20,21), enquanto isso, penso que  o celibato voluntário é uma alternativa bíblica, ainda aplicável para o nosso tempo; até porque, quando o Senhor é o nosso Pastor, não precisamos de mais nada. (Salmo 23.1).
Quero terminar, dizendo que não tenho prazer em falar sobre essas coisas, a não ser (como é o caso aqui), em circunstâncias que resultem em glória para o nosso Deus, vitória para  nossos irmãos e irmãs e instrumentos da Graça que a igreja pode usar para ser misericordiosa prevenindo abusos e salvando pecadores deste tipo, e dos outros tipos também; neste sentido, pretendo publicar meu testemunho e este é um primeiro ensaio, embora já perdi a conta de quantas vezes o contei verbalmente nestas mesmas circunstâncias. Se você quiser mais informações sobre ministérios de ajuda a pessoas que lidam com essa questão, você pode entrar em contato com 
www.exodus.org.br . Caso queira um contato comigo, favor enviar e-mail para: valdemar51.psi@gmail.com ou ligar em meu Tim (62) 8201-4454

Em Jesus, o Amado Eterno que nos fez Eternamente Amados, seu irmão Valdemar.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

O Deus pródigo


Titulo de um livro de Timothy Keller, eu quero citar, pois é disso que meu coração estar cheio:

Se acreditarmos no evangelho, confiarmos na obra de Jesus e recebemos uma nova identidade e uma novo relacionamento com Deus, o que acontecera?

Como nosso vida mudará se vivermos baseado nas mensagens de Jesus

acerca do pecado, da graça e da esperança?

A resposta é que Jesus veio para trazer a alegria festiva.

A biblia insiste em usar uma linguagem sensorial em relação à salvação.

Ela convida para provar e ver que o Senhor e bom, não para apenas concordar e acreditar.

A salvação em Jesus é um banquete e, portanto, quando acreditarmos e descansamos seguros na obra que ele realizou por nós,

por meio do Espirito Santo ele se torna real em nossas corações.  amor dele é como mel, ou vinho. Em vez de apenas acreditar que ele é amoroso, 

podemos experimentar essa realidade, a beleza e o poder de seu amor. O amor dele pode ser ainda mais real para você que o amor de qualquer pessoa;

esse amor lhe traz alegria, ânimo e consolo. Ele o reerguerá e o libertará de doto o medo, como dada jamais conseguiu, fazer antes.

E isso faz toda a diferença se você estiver repleto de vergonha e de culpa, então não basta acreditar  no conceito abstrato da misericórdia de Deus. 

É preciso sentir, no fundo do coração, por assim dizer, a doçura de sua misericórdia. Só então você saberá que foi aceito. 

Se você estiver repleto de preocupação e ansiedade, não pastará acreditar que Deus está no controle das coisas.

Será preciso ver, como os olhos do coração, toda a sua majestade deslumbrante. Só então você saberá que ele tem tudo na mão.

Só então você saberá que ele tem tudo na mão. Mas é realmente possível viver tais experiencias?

Algumas pessoas tem mais dificuldade que as outras, por terem uma propensão para a racionalidade e para o controle. 

Outras pessoas, acredito,  têm tanta fome de experiencias misticas que notam cada intuição ou sensação mais intensa como uma "palavra do Senhor".

Para resumir, a maioria de nós ou tem muita vontade ou não tem vontade suficiente para aquilo que Jesus oferece. mas o que ele oferece é acesso a presença do Pai.

Trata-se apenas de uma amostra agora, que aumenta ou diminui de intensidade com os anos que passamos orando e buscando ver a face dele com ajuda do Esprito.

Mas já estar disponível. 

sábado, 4 de agosto de 2012

Direitos Humanos e violência.

Um bom material, sugiro a leitura do capitulo: A violência como produto da crise da condição masculina, pag 187, um conteúdo para se conhecendo e para entender!

quarta-feira, 11 de julho de 2012

ESQUECENDO-SE DAS COISAS QUE PARA TRÁS FICAM, PORÉM, EM BUSCA DOS PRINCIPIOS ANTIGOS.

Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, 
Filipenses 3:13
Amados pastores correligionários, e aos demais presentes, bem como, visitantes, do 115º Encontro Regional da ICB - Região Leste e Oeste – Ceará, o tema deste encontro é de fato um anseio que estar em nossos corações como Diretoria Regional, e que tem motivado nossa atividade executiva, na região.  Este tema nos estimula a pensar no essencial, no que é fundamental, e  não a estacionar, estagnar, no que é no usual, na tradição. Nossas tradições têm seu uso, mas não são sagradas, ela nos estruturou e nos trouxe até os 80 anos de organização em nosso país, como também foi, em alguns casos, motivos de equívocos e embates entre nós, companheiros e corresponsáveis por essas instituição que nos foi confiada. Isso sim, nós temos que esquecer, contudo aprendendo com. A Igreja de Cristo no Brasil. É também, dentro deste projeto macro e essencial, que é o avanço do evangelho de Cristo no mundo, uma estratégia, como denominação.  A temática nos chama a avançar motivado pelo essencial, pelo que é principal, isto é, o evangelho, os princípios ensinados por Cristo e que devem nos animar e nos desafiar a renovação radical e a voltar aos princípios antigos, voltar à raiz, o evangelho tem poder de colocar o mundo de cabeça para cima (Howard Snyder). Renovando também nossa mente, nossas tradições, curando as agruras, mas preservando a sã doutrina, que é o essencial, que nos faz experimentar a boa perfeita vontade de Deus. Rm 12.2.  A renovação não é libertinagem, nem irreverência, não me refiro a uso, me refiro a métodos de aplicar a sã doutrina, pois Deus é Deus de novidade, seu evangelho é novo, e sempre será. 2Co 5.17.  O que não muda são os princípios, pois assim como Deus, Jesus e sua palavra, jamais mudarão. Mt 24.35; Tg 5.17; Hb 13.8. Não vamos conservar tradições, filosofia, velhos hábitos, o evangelho muda tudo isso, pois é poder de Deus, Rm 1.16. O Evangelho não muda, mas produz e exige mudança. Ap 21.5.  Vamos nos dedicar a renovação "radical", sem jamais abrir mão dos princípios antigos.  
Por Herbert Amorim

domingo, 17 de junho de 2012

Prontos para Morrer, por Cristo!


Que a paz do Senhor Jesus Cristo esteja com você.

Quem achar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a sua vida, por amor de mim, achá-la-á.Mateus 10:39


Para sermos verdadeiros discípulos de Jesus Cristo e podermos acompanhá-lo, devemos esquecer os nossos próprios interesses e estar prontos para morrer como Cristo. Deus sabe que existem coisas que serão ameaçadas para nós, querendo nos controlar enquanto prosseguimos nossa aventura no Reino de Deus. A principal coisa que nos impede de ir mais fundo no Reino de Deus é a nossa própria natureza humana e pecaminosa. 
Quando Jesus falou sobre estarmos prontos para morrer como Ele e a esquecermos os nossos próprios interesses, Ele estava falando para dizermos NÃO a nós mesmos, para deixarmos nosso egocentrismo para trás e nos tornarmos teocêntricos. A grande verdade, aqui, é que as pessoas que constroem toda sua vida em cima da satisfação de si mesmas descobrem que perdem tudo no final das contas. Em contrapartida, as pessoas que desistem de sua vida pela causa do Reino acabam descobrindo a máxima satisfação. 
Precisamos ser ousados e não ter medo de sofrer pelas renuncias que precisamos fazer por amor a Deus, por amor a pessoa que amamos, e por amor ao próximo.



         metidieri@globo.com



terça-feira, 29 de maio de 2012

UMA LEI DE AMOR


Enviada por:  "No Cenáculo" = 29.05.2012

Leia 3.19-24 Gálatas

"Estou de contínuo em perigo de vida; todavia, não me esqueço da Tua Lei."    = Salmo 119.109

A universidade na qual trabalho possui vários alunos e alunas que se deslocam diretamente de seus empregos para as salas de aula.   Muita gente chega com as aulas já em andamento.    Para aqueles cujas salas situam-se em andares mais altos, chegar no horário torna-se ainda mais difícil, em virtude da imensa fila para o acesso aos elevadores.     O grande número de estudantes e a ansiedade para chegar às salas fazem com que, por diversas vezes, o limite de pessoas nos elevadores seja desrespeitado.        Por isso, o responsável pela manutenção afixa diversos cartazes, enfatizando o peso limite.     Na prática, o que acontece é que as pessoas ignoram as regras e continuam a lotar os elevadores.     A adoção das regras e dos cartazes não significa que o técnico responsável pelo elevador seja radical e intransigente.    As regras podem ser ignoradas e desobedecidas, no entanto, no caso de um contratempo ou acidente, não seria justo culpar o técnico.   Da mesma forma, Deus  "afixou cartazes", contendo leis e princípios,que podem ser encontrados na Bíblia Sagrada,    a fim de nos proteger e nos orientar em todas as esferas de nossa vida.    Também temos o livre-arbítrio, para ignorar e desrespeitar essas leis.     Mas depois disso, não é justo considerar os "acidentes da vida" como castigos de Deus por termos desobedecido a Suas regras.

Oração :  Querido Deus, escreve Teus Mandamentos em meu coração!
Ajuda-me a entender e a sentir prazer na obediência à Tua Lei de amor.
Em Nome de Jesus. Amém.

Pensamento para o dia :   Na Santa Lei, vemos o cuidado amoroso de Deus, que Se preocupa verdadeiramente conosco.

Oremos : por todos que não conseguem ser obedientes às Leis de Deus.


Autor: Jocélio de Souza Maciel  (Volta Redonda, RJ, Brasil)
                                                                
*********************************************************************************
Maio sob o Poder da Palavra de Deus    (com comentário da Bíblia de Estudo Pentecostal)

Dia 29  =  Terça-Feira

MARCOS   6.34 = "E Jesus, saindo, viu uma grande multidão, e teve compaixão deles, porque eram como ovelhas que não têm pastor, e começou a ensinar-lhes muitas coisas."

6.34 = "compaixão" = O termo original é "splagchnizomai", o qual descreve uma emoção que comove a pessoa até o íntimo do seu ser.    Fala da tristeza que alguém sente pelo sofrimento e infortúnio do próximo, juntamente com o desejo de ajudá-lo.   É uma característica de Deus  (Dt 30.3;  2Rm 13.23;  Sl 78.38; 111.4) e do Seu Filho Jesus Cristo (1.41;  6.34;  8.2;  Mt 9.36;  14.14;  15.32;  Lc 7.13).      Em todas as épocas, e particularmente nestes dias de indiferença ante o sofrimento dos outros, Jesus espera que semelhante atitude motive atos compassivos dos Seus seguidores (Mt 18.33;  Lc 10.33).-

Multiplique a Palavra de Deus:  envie esta mensagem para  todos os seus amigos.
Assine "No Cenáculo"  =  Fone (11) 3277.7166

sexta-feira, 4 de maio de 2012

O que a igreja pode fazer para ajudar a juventude enfrentar a secularização?

Bem, a resposta bem pratica é contextualizar o evangelho, conhecendo o contexto atual em que vivemos, não podemos continuar querendo endeusar uma forma de liturgia obsoleta e descontextualizada, e que muita vezes pensamos que é a única forma em que Deus opera, parecem que não lembram, as lideranças, que Deus é Fiel, mas não é previsível. 
Cometeremos o erro que os católicos têm cometido a séculos? Santificaram sua liturgia, o que tem, em muito, contribuído, também, para o avanço da igreja Evangélica no Brasil.
Vamos observar que o estudo de Regina Novaes, Os jovens "sem religião", nos clareia: O que temos escrito como Igreja Evangélica para atrair a juventude dos sem igreja? E como Igreja, o que temos procurado conhecer dessa parcela da população? Que é um grupo em potencial para o Evangelho. 
Fiquei muito abismado em saber que 35 mil respostas foram dadas sobre variedade de Fé, quando perguntados: Qual sua religião? Fenômeno classificado com Ventos Secularizantes.
Também que temos atingido com o Evangelho, na maioria são jovens, e porque só a juventude tem evangelizado? Ou porque os mais velhos não tem mais laços de amizade com descrente, e assim, não ganham os mais velhos? E comum crentes velhos só terem crentes no seu rol de relacionamento, é sal no saleiro. 
Entre jovem mais favorecidos socialmente, em escolaridade e mais velhos, estão também os ateus e agnósticos, ao lado dos crentes não pentecostais, por quê?
E porque entre os jovens pentecostais estão os de menor classificação social e de escolaridade, em termos de renda estão quantitativamente juntos aos adeptos das religiões afro-brasileiras? 
A pesquisa deixa bem claro que os que se declaram, sem religião, porem têm fé, é um numero crescente e se estabelecem em todo território brasileiro. Caracteriza um desafio para toda a igreja no Brasil. Esse fenômeno  vem crescendo desde 1940 atingindo 54% nos anos de 1990, e que em nenhuma outra época houve tantos jovens se definindo como "sem religião". 
Isso pra mim é um alerta, pois nos inclui, fica a pergunta: O que estamos transmitindo como religião Cristã? Querem o Cristo, mas não querem a religião do Cristo e/ou dos cristãos!  
Como nos contextualizar nesse cenário, será se temos sido, o que os missionários, europeus e americanos, foram para os pioneiros no evangelho brasileiro, isto é, foram retransmissores de uma tradição alienígena, focalizando e reproduzindo efeitos mortais, ao invés de crescer e difundir a vida do evangelho,de Julio Zabatiero?
Ateus, sem religião e agnósticos, podemos alcançá-los, pois os mesmo disseram que a fé e/ou temor a Deus é algo a valorizar.
Os sem religião procuram igualdade de oportunidades enquanto os ateus enfatizam o meio ambiente.  
Áreas que o Senhor nos chama também a atuar.  
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; 1 Coríntios 13:5-6 e em Romanos 8:19 “Porque a criação aguarda com ardente expectativa a revelação dos filhos de Deus.
Gosto da frustração da escritora quando pergunta: Já não se fazem ateus como antigamente? Parece-me um caminho para o evangelismo contextual.
O que parece e que esses jovens estão clamando por uma resposta, pois estão sendo chamados a fazerem suas escolhas, em uma sociedade cada vez mais plural em suas religiões.  Movimento classificado como espírito da época
Estão sendo influenciados por amigos e agentes religiosos, não mais pelos pais e/ou família. 
A pesquisadora aponta o pentecostalismo como inibidor e adversário das religiões mediúnicas.
Fator que pode apontar aumento da porcentagem dos "sem religião", mas são sincretista. Pois os jovens se auto-classificam como tal, afirmam acreditar praticamente em todos os itens do elenco oferecido: "energia", astrologia, orixás, duendes e gnomos.
O mundo tem mudado, e a igreja na pregação contextual do Evangelho?
Toda a metamorfose do mundo, o novo paradigma da pós-modernidade, fica bem claro que o contexto cultural mudou, vou usar as palavra da escritora: "o medo de sobrar", a insegurança para planejar o futuro profissional e a experiência de vivenciar precocemente a morte de amigos, primos e irmãos resultem, direta e necessariamente, em reforço de valores religiosos, busca de fé ou valorização da religião como locus de agregação social.
Aqui temos vastos temas para escrever literatura e planejarmos estratégias e aplicação do Evangelho vivo e eficaz!
Ainda citando a escritora: Para ter acesso à Bíblia, os jovens brasileiros de hoje não precisam desconsiderar a autoridade dos padres ou pastores, nem precisam a eles se submeter. A Bíblia pode ser comprada em qualquer esquina e seus versículos são cantados nas letras de rap e aparecem escritos em outdoors no centro das cidades, nos muros das favelas e periferias.
Pensando no que a Igreja pode fazer para ajudar a juventude enfrentar a secularização, aprendo com um homem antigo, Paulo, em suas habilidosas artes de contextualização:  Porque, passando eu e vendo os vossos santuários, achei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Esse, pois, que vós honrais, não o conhecendo, é o que eu vos anuncio.     Atos 17:23
Porque, sendo livre para com todos, fiz-me servo de todos para ganhar ainda mais.E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei.
Para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei. Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns.
E eu faço isto por causa do evangelho, para ser também participante dele. 
1 Coríntios 9:19-23 

Herbert Amorim. 

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Contextualização do evangelho.

E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. 
Romanos 12:2


 Minha opinião a respeito da contextualização do evangelho na prática de nossas igrejas locais, posso começar com o citação do querido professor Dr. Julio Zabatiero, que estar na pg 10 de um de seu artigos intitulado Missão e contexto, que diz: 
Diante da cultura "nosso papel é desafiar o mal e afirmar o bem, acolher e procurar promover tudo que é sadio e enriquecedor na arte, na ciência, na tecnologia na agricultura, na industria, na educação no desenvolvimento comunitário e bem estar social; denunciar a injustiça e apoiar os impotentes e oprimidos, espalhar o evangelho de Jesus Cristo, que é a força mais liberalizante e humanizante do mundo, e empenhamos-nos ativamente nas boa obras do amor". 

Se não atentarmos pra essa declaração incorreremos no erro dos nossos precursores, que alias muito do que fazemos em nossos rituais e que estão presente em nossas formas simbólicas, e como lemos a literatura sagrada, interagimos com nossa cultura, é heranças de nossos evangelizadores, quanta dor, quanto mazelas e sequelas foram criado em nossas igrejas a luz da visão de nossos evangelizadores, que em muitos só reproduziam suas formas, mas não a fé cristã, apenas.

Como não nos comportar como colonizadores de nossos próprios irmãos? Não somos colonizadores, mas mensageiros, da mensagem do Evangelho que se deve ser recebido pela fé, que deve ser encarnado pela igreja pelo agir do Espirito Santo através dela, assim a contextualização será possível.

Cometi erros ao assumir a igreja a qual pastoreio, ha 9 anos atrás, justamente por querer impor minha ideia de igreja, sem respeitar as formas que já ali estavam enraizada, há 23 anos, foi muito difícil para ambos, tanto pra mim como para a irmandade, essa transição, fato que não repetiria mais, refletindo agora sobre a transição ministerial, que vivi, penso, se uma mudança de estrategia é tão doloroso e/ou danoso pra uma igreja, quanto mais será pra uma comunidade um povo, a mudança de fé de crença de costume, sem uma verdadeira contextualização.

Não podemos andar pelos extremos da não contextualização ou do relativismo cultural esses caminhos devem ser evitado pela igreja em sua vida e ação missionaria, o caminho que devemos caminha é o da visão critica da contextualização. 
Jesus nos ensina embora sendo Deus, se tornar um de nós, mas não perde sua própria identidade. 
A encarnação nos ensina a identificação sem perda de identidade. A missão da igreja no contexto da cultura deve caminha por este caminho na contextualização do Evangelho.  

quinta-feira, 1 de março de 2012

"God is not a white Man" - Gungor -legendado (LouvorComLegendas)

Chega de gerra, Deus é paz, é amor, é bom!!!! A todos que justificam seus atos em nome de Deus deveriam ouvir essa canção!!!!!

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Eu preciso ir ao Canadá, Em Maio de 01 a 10. Vc quer me ajudar?

http://www.vakinha.com.br/VaquinhaP.aspx?e=122865


Bem queridos estou compartilhando com vc's uma iniciativa inusitada, de minha parte, mas com um bom proposito. Ha 3 anos ajudo pessoas com dificuldade em suas vidas afetivas, familiares, relacionais e com conflito de identidade, faço totalmente de graça, porque o que de graça recebo de graça dou, sou ligado a uma organização filantrópica mundial, Aliança Global Exodus, com o mesmo intuito, Ela se reunira no Canadá nos dia 1 a 10 de maio de 2012, pra motivação e novas respectiva de trabalho. Somos Cristãos e Entendemos que devemos levar a essas pessoas possibilidades de sonhar com uma vida plena, como estar escrito, nas escrituras sagradas João 10:10, isso em proselitismo. Sou pastor ha 8 anos, e graças a Deus, a igreja que dirijo me assalaria,  não sou dono de seu recurso, nem quero, pois são messarias a sua manutenção, se quiser nos conhecer melhor, estes são nossos sites: 
http://www.genibau.com.br  
http://plus.google.com/117629493053823775949/about


A Luíza veio do Canada, rsrsr e Eu preciso ir lá! Em Maio de 01 a 10, Vc quer me ajudar?
Não importa o Valor importa a intenção ou compartilha com quem sabe que pode e quer ajudar!!!
Banco: Caixa Econômica Federal
Nomes: Maria Das Graças Lopes de Amorim e Herbert Silva de Amorim.
Agencia: 1469
Operação 013
Conta Poupança: 4816-5



Paz e obrigado ter lido essa msg.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Cidadania, igualdade e Diferença.

No ambiente em que a nossa comunidade, isto é a Igreja, fazer parte é de extrema importância o tema Cidadania, igualdade e Diferença. Como diz o autor de um artigo, ADRIÁN GURZA LAVALLE, com este tema, à cidadania aqui se tornou um abismo da articulação entre legitimidade, igualdade e a integração social. 
É uma comunidade de periferia, como não se bastasse é uma parte da periferia mais abandonada, em termos de atuação políticos-sociais, que maioria só olha para uma comunidade, sublinho a palavra comunidade, aqui me refiro ao ambiente, em tempos de eleição. 
Cidadania na descrição do autor, sim os mesmo tem, pois são membros integrantes de uma comunidade, contudo de modo limitado e particular, refiro-me a  condição e a obrigação, mas não abrangente no que diz respeito aos direitos pertencente à condição. 
Dentro de um ambiente de favela, como a elite definiu, é que estar à comunidade da IGREJA DE CRISTO EM GENIBAÚ, comunidade quando se limita ao individuo, digo o membro, precisa-se resgatar o sentido de Igualdade e de direitos, que a condição de cidadão garante, não é apenas se falar de cidadania do Céus, mas de como cidadão de pais, estado e cidade esse tem seu valor. 
Até porque o que vem em primeiro lugar em seu sentido e percepção de conhecimento, é a diferença de si mesmo, em relação os demais cidadãos elitizados.  
É um desafio para qualquer ministro do evangelho de Cristo resgatar o sentimento de valorização de direitos, em uma comunidade como essa e em seu ambiente. 
Muitos dos quais, digo em relação os que estão no ambiente, não crêem nem em direitos conquistado na Vida, Crucificação e Ressurreição de Cristo. 
Como por intuição lógica considera-se assim com a falta de sentido de cidadania terrena, não tem também direito a uma cidadania celestial, como se também descressem por associação que da mesma forma que alguém humano os abandona, o que dirá do Ser Todo Poderoso. 
Antes de trabalhar os termos característicos da cidadania: universalidade, territorialização, individualização e a índole estatal-nacional, torna-se necessário resgatar a auto-estima e sentido de sujeito do amor Divino.  
Na realidade, o ambiente, e não só a comunidade deve experimentar o significado de cidadania entender a igualdade e conviver com sua diferença, precisam também vivenciar todos os sentido de benefícios que a cidadania propõe, se esse movimento começar na comunidade cristã e se entender ao ambiente geral, pela renovação do entendimento, a comunidade cristã influenciará com certeza todo ambiente, Deus seja louvado.


Por Herbert Amorim

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Horas que estarmos vulnerável.

Um amigo postou em sua pagina de relacionamento o seguinte comentário:

_ to com tanto sono, com fome, com preguiça, com saudade, com alegria, com tristeza, com vontade de... , com sede,

Eu postei em seguida:

Isso são as luzes vermelhas, de seu painel da vida, piscando estão dizendo que vc precisa fazer revisão ou para para reparos!!!!

Ele respondeu:

concordo plenamente, um ano sem férias do trabalho...

Na Bíblia estar escrito:

Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor.
1 Coríntios 15:58

Pense nisso:


Medita estas coisas; ocupa-te nelas, para que o teu aproveitamento seja manifesto a todos.
Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem.
1 Timóteo 4:15-16


Por Herbert Amorim




sábado, 21 de janeiro de 2012

Em nome de quem?

Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus dada às igrejas da macedônia;
Como em muita prova de tribulação houve abundância do seu gozo, e como a sua profunda pobreza abundou em riquezas da sua generosidade.
Porque, segundo o seu poder (o que eu mesmo testifico) e ainda acima do seu poder, deram voluntariamente.
Pedindo-nos com muitos rogos que aceitássemos a graça e a comunicação deste serviço, que se fazia para com os santos.E não somente fizeram como nós esperávamos, mas a si mesmos se deram primeiramente ao Senhor, e depois a nós, pela vontade de Deus. 

2 Coríntios 8:1-5.


A questão não é doar, a questão é barganhar, isto é, o motivo pelo qual se doa! 
Os irmãos da macedônia eram profundamente pobres, mas tinha generosidade e voluntariedade!  
Estimular a contribuição para manutenção da obra e cuidado com missão tudo bem. Mas o que temos visto é pessoas supostamente sacerdotais enriquecendo e construindo megas estruturas em nome da fé, e usando a fé do membro para seu empedrenimento pessoais, será se, o que se já tem gastado com tanta ostentações de templos, não daria para nos sermos evidencia de testemunhas de Jesus?  Vamos observar o contexto do Brasil, e nos perguntar, em que o evangelho contribuiu com uma grande estrutura na adjacências de suas igrejas? Já pensou se o EUA, Europa e o Evangelismo de imigração não tivessem chegado aqui? Se tivessem se fechados no seu mundos de ostentações? Será se teríamos sido alcançados? 
Bem ainda bem por pequenas estruturas, não pela mediocridade, mas porque muitas missões tem saído de pequenas estruturas de bastidores, desconhecidas, não de megas-igreja, e por mais que saibamos que existe ainda algumas megas que fazem estas, sem omitir aquelas! Ainda é pouco para o que poderíamos fazer.  

E, o que jurar pelo céu, jura pelo trono de Deus e por aquele que está assentado nele.
Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas.''
Condutores cegos! que coais um mosquito e engolis um camelo.
Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que limpais o exterior do copo e do prato, mas o interior está cheio de rapina e de iniqüidade.
Fariseu cego! limpa primeiro o interior do copo e do prato, para que também o exterior fique limpo. 
Mateus 23:22-26

Fico muito triste pelo fato de "homens de deus" fazerem mercalogia do Reino De Deus. E pela inocência ou ignorância de alguns fieis. 
O capitalismo entrou na igreja e criou-se a teologia da prosperidade! 
E ainda bem que exite instituições serias como a qual você pode escolher pra cursar, ou se associar! 
Mas o que dizer do fato que exite os proselitista demagogos que chegam muitas vezes antes, com tantas opções não saudáveis, arrebatando multidões, se valendo da experiencias de "fé teologal", atraindo pelo "sagrado mercadoria", com enfases do ter antes do ser, encantado com a "fé antropológica"? 
Fica um pergunta que me intriga, que é: Com chegamos antes? E como não entramos em concorrências com eles, e se o fizermos, como não nós corromper?  Uma coisa já gradeço a Deus por essa compreensão, que vem somar e fortalece qual quer ministério baseado no caráter Jesus, e não no que Ele pode dar! 
Paz a nós, que remamos contra a mare! 

Por Herbert Amorim


Fonte para consulta e aprofundamento:

O Comércio do Sagrado: origem e implicações
Pr. Dionísio Oliveira da Silva. 
http://www.imel.org.br/novosite/node/61

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Sermão da Montanha


'...O homem que veio revelar Deus para a humanidade estava menos interessado nas falhas humanas e mais no próprio ser humano. Milhões de religiosos valorizaram sempre mais os erros e falhas do que a pessoa que erra. Jesus, ao contrário deu sempre um valor vital ao ser humano.
Os erros são secundários.
  Você valoriza mais os seus filhos ou os erros que eles cometem? Se prioriza os erros, será um promotor de justiça sem qualquer tolerância. Valoriza mais as pessoas que o frustram ou as frustrações que elas lhe causam? Alguns rompem relacionamentos afetivos para sempre devido a decepções que sofreram. Outros perdem grandes amigos por não suportar suas falhas.
  É fácil dizer que valorizamos mais a pessoa do que as suas falhas, mas as nossas reações ante os erros dos outros freqüentemente denunciam o contrário.
  Jesus estabelece a seqüência de valores. Em primeiro lugar, alimente, cuide, proteja e irrigue de prazer o ser humano. Em segundo, ensine-o a lidar com seus erros. Não exija muito de quem está desnutrido, não cobre de quem está ferido, não puna quem não tem forças para a jornada.
  Devemos guardar essa idéia: uma pessoa que cobra muito dos outros está apta a trabalhar em um banco, e não a conviver com pessoas. Um executivo excessivamente crítico e implacável não está apto a liderar. Paciência e tolerância são elementos insubstituíveis para quem quer estimular os outros a crescer. Rigidez e intolerância são elementos fundamentais para bloquear a criatividade das pessoas...
  Jesus apresentou um Deus que não condena, não faz guerras para impor a sua vontade, não agride, não discrimina,
mas um Deus generoso, afetivo, sereno.
  Você discrimina as prostitutas? Ele as abraça. Você rejeita os drogados? Ele os ama. Você dá as costas muçulmanos ou budistas por não serem cristãos? Ele é deslumbrado por eles. Não importa a opção sexual, a religião, a cultura, a nacionalidade. Jesus nos apresentou um Pai preocupadíssimo com cada ser humano...'

COBRAMOS MUITO, PORQUE AMAMOS POUCO!

Augusto Cury, A sabedoria nossa de cada dia. 
Os segredos do Pai-Nosso 2 – Aprendendo a superar os conflitos humanos.